Análise - Castlevania: Lords of Shadow




Produtora: Mercury Steam/ Konami
Gênero: Ação, Aventura, Hanck n Slash
Classificação: 16 anos (Violência, Sangue)
Plataformas: Xbox 360, Ps3

História:
Em uma época sombria, em que a humanidade é aterrorizada por criaturas das trevas, o jogador assume o papel de Gabriel Belmont, membro da Irmandade da Luz, que tem o dever de combater o mal.
Gabriel é enviado para achar e matar os três Lords of Shadow (Senhores das Sombras), porque talvez, seus poderes sejam a chave para restaurar a paz na terra. Então com a ajuda de Zobek, também membro da Irmandade da Luz, Gabriel parte em uma aventura sombria e cheia de perigos pela Europa medieval, para livrar o mundo da total destruição.

Gráficos:
Castlevania: Lords of Shadow é um dos games que possui os gráficos mais bonitos, dessa geração. Os personagens são todos bem representados, desde os protagonistas, até os seres com menos importância no enredo, todos com expressões corporais e faciais bem feitos e detalhados.
O jogo tem uma boa variedade de cenários, Gabriel passará por: pântanos, florestas, aldeias abandonadas, cavernas, castelos e cemitérios, todos os são bem detalhados, e tem uma incrível quantidade de objetos que podem ser destruídos, eles podem esconder itens, ou apenas dar a impressão de que você está destruindo tudo no meio de uma batalha.
Outra variedade está na quantidade monstros no jogo, alguns bem famosos, como os Vampiros e os Lycans, também há os duendes, fadas, zumbis, fantasmas, trolls e até chupacabras (é isso mesmo, chupacabras!).
Muralhas formando cachoeiras marcam presença em varias cenas e criam uma bela visão, mas a água em si não convence muito, outro deslize do jogo é o sangue, quando se mata um inimigo, quase sempre ele solta uma enorme quantidade sangue, porem ele some antes mesmo de chegar ao chão.

Jogabilidade:
O jogo tem um sistema de combate muito similar a outros jogos (isso não é uma coisa ruim!) e por causa disso, alguns jogadores até podem se adaptar facilmente aos comandos.
Gabriel tem como arma principal uma cruz, que possui um chicote de aço, que além de usar como arma, serve como ferramenta para avançar certos pontos do jogo. No decorrer da história, o jogador ganhará novas armas secundarias, entre elas estão: as adagas de prata, vidros com água benta e um cristal maligno que serve para invocar um demônio e destruir todos os inimigos que estiverem na tela, todos esses itens vem em quantidade limitada, e você tem que procurá-los pelo cenário ou simplesmente são deixados pelos inimigos mortos.
Mas Gabriel também adquire armas fixas, como uma luva de metal (que o deixa com um soco forte), asas de anjo (para dar saltos mais altos) e Botas de aço (que deixam Gabriel mais rápido). Nosso herói também recebe poderes místicos, como o Power of Light (que recupera a vida de Gabriel a cada golpe dado) e o Power of Shadow (que aumenta o poder de dano das armas de Gabriel).
Como já foi dito acima, o jogo tem uma grande variedade de monstros, que para serem derrotados, alguns só precisam receber meia dúzia de golpes, porém para derrotar os mais fortes, é preciso uma estratégia ou uma arma específica, Exemplo: A água benta deixa os vampiros mais fracos. O jogador também pode montar nos monstros maiores, e sair destruindo tudo pelo caminho, esse elemento também é muito usado para avançar certos pontos no jogo.
Os puzzles também vieram em grande quantidade e estão presentes em quase todo o jogo, alguns são bem fáceis de resolver, mas outros vão testar a paciência do jogador exigindo pelo menos 10 ou 15 minutos (no mínimo) de raciocínio.
Um ponto negativo no quesito jogabilidade: é a razão de ter que usar dois botões para a esquiva, o gatilho esquerdo (também usado para defesa) e o direcional esquerdo para escolher a direção, função esta que poderia ter ficado como o direcional direito, que quase não tem utilidade.

Sonorização:
O jogo tem uma bela trilha sonora, que dão um ar sombrio e sinistro ao jogo, dublagens bem feitas e legendas sincronizadas prendem a atenção do jogador.
Som da chuva, rugidos de monstros, o uivo dos lobisomens, rochas caindo, pássaros cantando, são detalhes que só se pode notar, se parar para prestar atenção. Como há vários objetos destrutíveis no cenário, é comum que se escute sons de caixas e pedestais quebrando, pedras e paredes sendo derrubadas, além de vários outros itens que possuem um som próprio, tudo isso em harmonia com o que acontece na cena e com a trilha sonora.

Extras:
Em certo ponto do jogo, Gabriel é obrigado a jogar uma espécie de Xadrez (só quem jogou sabe como é), bem esse jogo de xadrez é desbloqueado nos extras, e você pode jogar contra o jogo, ou contra um amigo, é bem divertido.
Há vários itens escondidos no jogo, como as gemas, que servem para fazer os upgrades em Gabriel, e os pergaminhos da Irmandade, que contam um pouco mais sobre o enredo, e alguns ajudam a solucionar puzzles, além de vários combos e concept arts (para quem gosta de apreciar as obras) que podem ser comprados com os pontos de experiência, isso garante a vontade de jogar de novo.

Considerações finais:
Uma coisa que não me agradou, foi o fato de não haver a opção de começar um novo jogo, sem apagar o Save Game da partida atual, e também não há a opção de Quite Game, que permite sair do jogo para o menu principal. Outro ponto negativo é que o jogo tem cenários enormes, que muitas vezes não podem ser totalmente explorados, mesmo com um enorme espaço para procurar itens, muitas vezes o jogo se torna linear através de barreiras invisíveis que empurram o jogador em uma única direção, e isso tira um pouco do brilho.
Mas não se assuste, pois mesmo assim, Castlevania: Lords of shadow consegue reviver o nome Belmont, trazendo uma aventura estonteante, cheia de ação, com cenas cinematográficas, gráficos maravilhosos e um enredo intrigante, cheio de emoção e reviravoltas que deixaram você de boca aberta.
Na minha humilde opinião um dos melhores títulos dessa geração, que mesmo juntando elementos já usados em outros games, consegue proporcionar uma experiência única, e isso em minha concepção, é o fator mais importante.


Notas:
História: 9.5
Gráficos: 9.0
Jogabilidade: 9.0
Extras: 7.5
Diversão: 9.0
Média: 8.8
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

1 comentários:

Clique aqui para comentários
gabriel
admin
14 de janeiro de 2011 09:24 ×

melhor jogo que joguei junto com god of war 3

Parabéns gabriel.
Responder
avatar
Obrigado pelo seu comentário